• Mariana Caroline Pradella

Psicologia Perinatal

Atualizado: 16 de Jul de 2020

A importância da Psicologia Perinatal na gestação, parto e pós parto






A Psicologia Perinatal se dedica a estudar os fenômenos que ocorrem no período do ciclo gravídico-puerperal, que envolve a gestação, parto e pós parto e pode ajudar a prevenir a depressão pós parto e a saúde mental da mãe. Mas também depende muito do momento em que a pessoa busca o psicólogo, se logo no início da gravidez, próximo ao parto ou logo após o parto. Essa prevenção não é necessariamente só da mãe, pode ser para o pai, pois todos podem ter questões para resolver.

A mulher faz o acompanhamento do pré natal mensalmente com o médico para cuidar da sua saúde, do bebê e esquece da importância de fazer um pré natal psicológico para cuidar dos seus sentimentos, angústias, medos, questões não resolvidas. Algumas mulheres tem dificuldades em falar sobre seus sentimentos negativos em relação ao bebê, a maternidade e ela se fecha devido a visão da sociedade.


Durante a gestação a mulher passa por várias transformações físicas, emocionais, hormonais, oscilação de humor. Buscar essa ajuda psicológica nos primeiros meses da gestação é o ideal, pois ajuda a mulher a ficar mais consciente em relação a todo esse fenômeno.

A Psicologia Perinatal busca olhar para esse ciclo da mulher considerando a sua história, cultura, não existe uma receita, uma regra, tudo é avaliado e acompanhado individualmente, cada caso é um caso.

O puerpério é um momento de uma demanda emocional muito grande, por esse motivo a maioria das mulheres e famílias buscam ajuda nesse período, quando o bebê chora sem parar e sem motivo aparente, várias deduções do que está acontecendo, várias pessoas dando palpite e colocando essa nova mãe a prova, muitas questões também aparecem como de relacionamento, família, autoconhecimento, e é um momento que deve envolver a todos, pai, mãe, irmãos (se tiver)e não somente da mãe. Por esse motivo que o quanto antes houver a intervenção da Psicologia Perinatal pode ser feito um trabalho de prevenção da saúde mental.


Dores do pós parto, bebê que chora sem parar, dificuldade para conseguir amamentar, outros tipos de hormônios atuando, o casal agora passa a ser uma família, a mulher deixa o papel de ser filha para ser mãe e começa a agregar outros papéis, questões sociais, retorno ao trabalho e outras demanda.

É justamente no meio desse caminho que a depressão pós parto pode aparecer, inclusive já pode dar sinais que ela poderá aparecer no pós parto durante a gestação.

É normal essa mulher que acabou de se tornar mãe ter perda de memória, oscilação de humor, choro fácil, por isso a presença do pai é fundamental, nesse momento um dos papéis dele é dar assistência e observar se esses sintomas estão dentro de uma normalidade ou se estão bem intensos.


A Psicologia Perinatal também é positiva para o bebê, na verdade ele é o que mais vai receber o resultado positivo, uma mãe bem cuidada cuida melhor do seu filho, da sua família. Uma mãe que não é bem cuidada, reconhecida ou bem olhada nas suas necessidades tem bebês que não são bem atendidos. E ai pode-se entrar com a terapia do vinculo mãe e bebê.

Muitas vezes um bebê que chora demais está expressando um sintoma fisicamente de que essa mãe não está bem e talvez precisando chorar também e necessitando de cuidados.


A Psicologia Perinatal também aborda os temas:


- Planejamento familiar: Auxilia essa família com suas novas funções e papéis para agregar o novo integrante;

- Como lidar com processo de infertilidade;

- Fertilização assistida: o que gera muita ansiedade e expectativa no casal, tendo algumas vezes que lidar com frustrações;

- Dor causada pelo aborto ou óbito do bebê;

- Assistência para o sucesso na amamentação;

- Baby blues (tristeza materna) e Depressão Pós parto;

- Encontrar a melhor maneira para retornar ou não ao trabalho, se preparar para a sua escolha.



13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo